sexta-feira, junho 25, 2004

Tendências da Historiografia da minha Insanidade (Sei lá o título dessa porra!!!)

As vezes penso no papel do ser humano e a sua influência na História. Se de fato o que ele faz é significativo ou não. Se daqui a alguns séculos seremos objetos de estudos dos novos historiadores que estudarão o nosso comportamento e no que isso afetou nas gerações seguintes. Se o homem pode alterar a História.
A História pode parecer algo como cabo de aço solto se debatendo, produzindo novos fatos históricos em cada balanço desgovernado, zunindo para frente e para trás da realidade em grandes movimentos destrutivos. Mas a História não funciona assim. A História se desdobra com suavidade - parecida com uma blusa velha. Ela já foi mutas vezes costurada e remendada, remodelada para se ajustar à pessoas diversas; foi escondida debaixo da pia da censura para ser criticada pelos espanadores da propaganda, e ainda assim sempre acaba conseguindo voltar à antiga forma.
A História tem o belo costume de mudar as pessoas que pensam estar mudando-a. A História sempre tem uns truques na manga. Ela não nasceu ontem. Não mesmo.
Enfim, o homem não altera a História mais do que os pássaros alteram o céu - apenas traçam breves arranjos nela. Aos poucos, bem agora, implacável como uma enorme geleira - e bem mais fria -, a História avança em sua direção, percebendo a insignificância da sua realidade - ao menos por agora - em relação a tudo que Ela já passou.