quinta-feira, abril 26, 2007

Qualquer coisa serve...

Qualquer coisa, qualquer hora...
Eu vou andando, as vezes parando...
Sempre com uma voz ecoando, e se calando...
Em um instante tudo parece um morango encantado, em outro momento tudo é distituido...
Já que essa busca é infinita, não há como controlar...
As coisas são exatamente o que são, mas o que são de verdade?
Tudo parece tão vazio e tão morno. Que então tomamos as rédeas da situação...
Ai vai um tiro no escuro, um momento no absurdo...
Claramente adulterado pelo tempo, e a sacada de ter algo pra sorrir...
Me faz crer que o melhor é ir o mais longe possível, longe nos seus objetivos....
Quero apenas não ter o por que pensar, se tudo é possível...
Tranquilo eu penso e me divirto com palavras tortas de uma vida um tanto confusa.