quinta-feira, julho 26, 2007

Um...

Tem algo no ar
Não sei o que esperar
Plantas crescem sem regar

O teu sorriso num quadro
Abstrato, descascado
O vento sopra para o leste
Como uma brisa se despede

Sem perceber, sem notar
Tudo na fronteira do pensar
A se perder, por tanto querer

Tem um leve sorriso quando vejo um navio
A zarpar do porto, para desbravar o mar
Ondas traiçoeiras tentam naufragar
Mas o navio é grande e pode suportar

Nos confins de qualquer outro lugar
Ele um dia vai chegar
E muito vai se alegrar ao ver que chegou a hora de voltar.