sexta-feira, fevereiro 22, 2008

Verdadeira Viagem

No alto, bem no alto;
Onde o corpo já nem sente segurança;
Balança com o vento,
o céu, tão próximo;

Onde qualquer religioso gostaria de estar;
Perto do divino, longe da inocência humana;
A parte que interessa é a visão;
Distância, longitude.

Ver é quase tão real,
quanto passar por lá;
Sentir os aromas, as sensações;
Mas ver é seguro, para alguns;

Planou, abriu os braços;
E caiu no vento, em qualquer corrente;
Ligeiro, avistando tudo por cima;
Cores, balançam e dispõem vida.