quinta-feira, maio 15, 2008

Cidade

Tem horas que parecem parar, tem dias que parecem iguais.
Há pessoas nesse lugar, há muitas pessoas nesse lugar, fugindo pra nenhum lugar ou melhor para o mesmo lugar.
Correria no centro da cidade, suprir, suprir e suprir, mas quem? Eu? Você?
É talvez algum de nós, talvez nenhum. Ninguém.
O ponto forte é a cegueira, por onde mesmo vou? Olha lá em cima no céu não tem sol, não tem vento, é só fumaça. Olha aqui para baixo não há terra, não tem verde das plantas. Tem pernas, rodas, borracha, plástico e por ai vai.
Onde seria o lugar legal, quer dizer um lugar agrádavel. Porém basta eu me adaptar "ué".
Como vai, boa tarde, bom dia, vai pro inferno, filho da puta, sai da frente caralho, para com essa buzina porra!
Cidade grande sô!